5º domingo da quaresma

Categoria (Artigos) por Pastoral Comunicação em 04/11/2011

Tags :

Neste 5º domingo da quaresma a liturgia nos leva a contemplar a Ressurreição e a vida!

Jesus está a caminho de Jerusalém. É sua última viagem. Em Betânia Jesus ressuscita Lázaro, irmão de Marta e Maria, seus amigos. Este acontecimento causou ódio das autoridades civis daquele tempo, contra Jesus, que dava um sinal de como seria sua própria ressurreição. Quando Jesus e os discípulos chegam a Betânia Lázaro já estava morto, há 4 dias no túmulo. Marta foi ao encontro de Jesus e disse-lhe “Senhor, se estivesses aqui meu irmão não teria morrido”, Jesus disse-lhe “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim não morrerá jamais: crês nisto?” Marta respondeu firmemente “sim Senhor, eu creio que tu és o Messias, o filho de Deus, que devia vir ao mundo”. Esta foi à profissão de fé de Marta. A fé cristã de Marta deve servir de exemplo para todos nós, cristãos. Se crermos na palavra de Deus veremos sua glória!

A preocupação com a morte demonstra a fraqueza de fé dos que não compreenderam ainda a qualidade de vida que Jesus comunica. Em meio às trevas da incredulidade e da desesperança de muitas pessoas, Jesus faz brilhar o sol da esperança. É Jesus que nos dá a alegria de viver, e a esperança na vida eterna.

O livro do Êxodo nos diz: “o Senhor está no meio de nós ou não?”

O apóstolo Paulo fala do Espírito que vivifica, mesmo se o corpo estiver morto. O Espírito de Deus que ressuscitou Jesus dos mortos dará vida até aos nossos corpos mortais. “A esperança não decepciona, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”.

A figura de Lázaro dentro do sepulcro e amarrado com faixas personifica o discípulo que o Senhor convida para sair do seu mundo interior e ganhar a verdadeira vida. Não podemos ficar amarrados nas coisas que passam deste mundo, e sim buscar e sim buscar as coisas do alto. Estamos no mundo, mas somos peregrinos que marcham para o céu. “O céu é o fim último e as realizações das aspirações mais profundas do homem, o estado de felicidade suprema e definitiva” (Catecismo da Igreja Católica – CIC, 1023).

Quando tiver terminado “o único curso de nossa vida terrestre” não voltaremos mais a outras vidas terrestres. Os homens devem morrer uma só vez (Hb 9, 27). Não existe “reencarnação” depois da morte (CIC, 1013).

A morte é superada pela presença do Espírito de Deus. No batismo somos sacramentalmente sepultados com Cristo para ressuscitar para uma vida nova. É Jesus que nos comunica esta vida nova.

O Evangelho da ressurreição de Lázaro nos faz lembrar da ressurreição de Jesus. Páscoa é passagem da morte para a vida, do pecado para a graça, do medo para a confiança, da descrença para a fé.

A comunidade de fé, reunida ao redor da mesa da Palavra e da Eucaristia transforma-se em testemunha viva da ressurreição de Cristo. “Sim, cremos que és a ressurreição e a vida!”. Ressuscitaremos como Ele, com Ele e por Ele. Crês nisto?

Estamos no final da quaresma, ainda há tempo para muitos saírem dos seus túmulos interiores corrompidos pelo pecado.

“Jesus é o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo”.

Ainda há tempo para uma boa confissão, que nos deixará livres de nossa prisão interior e exterior.

Continuemos na caminhada quaresmal, para chegarmos felizes na celebração da grande festa da Páscoa de Jesus!

Noely Penna

Pastoral Litúrgica – Capela São Benedito

Deixe sua resposta

Você deve estar logado para enviar seu comentário.