Saiba mais!

Categoria (Formação) por Pastoral Comunicação em 04/10/2011

Tags :

Dízimo

1 – O que o dízimo não é?

O dízimo não é pagamento, taxa ou imposto que se dá à igreja para a ela pertencer ou dela fazer parte.

2 – O que é o dízimo?

O dízimo é devolução, contribuição, ato de amor e gesto de partilha. Nós não pagamos o dízimo, nós devolvemos o dízimo já que tudo o que somos e temos pertence a DEUS.

3 – Porque para algumas pessoas é tão difícil ser dizimista?

Algumas pessoas têm dificuldade em devolver o dízimo por estarem inteiramente dominadas pelo egoísmo. Quem é egoísta não conhece a alegria e o prazer da partilha. Leia Mais »

4º Domingo do Tempo Comum

Categoria (Artigos, Formação) por Pastoral Comunicação em 01/30/2011

Tags :

A Liturgia da Palavra deste hoje apresenta-nos as Bem-aventuranças, uma das mais belas páginas da Escritura e o que de mais doce há nas palavras de Nosso Senhor. Mas, essas Bem-aventuranças são um doloroso escândalo para nós! Sejamos sinceros: elas parecem um sonho lindo, mais irreal e impraticável!

O texto de São Mateus nos diz que Jesus subiu ao Monte, como Moisés, no Antigo Testamento, do Monte Sinai deu a Lei aos judeus. Jesus senta-se, como um Mestre, não na cátedra de Moisés, mas na sua própria cátedra… Os discípulos se aproximam para escutar; e o Mestre lhes ensina, a eles, e a nós, que agora, sentados, buscamos compreender a Palavra do Senhor.

Mas, o que Jesus ensina? Feliz quem é pobre, feliz é quem chora, feliz quem tem fome e sede, quem é manso e puro, quem é misericordioso e perseguido! Caríssimos, que contraste com a mentalidade do mundo, do capitalismo! Que contraste com a nossa mentalidade! Que contraste com a lógica da maldita “teologia” da prosperidade, que alguns pregam em nome de Cristo, mas que de cristã não tem nada! Bem-aventurado quem é pobre, que chora, quem tem fome! Como compreender isso? Como aceitar? Como viver essas palavras? Leia Mais »

3º domingo do Tempo Comum

Categoria (Artigos, Formação) por Pastoral Comunicação em 01/22/2011

Tags :

Depois de apresentar Jesus como Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, na celebração do último Domingo, a Liturgia celebra, que Jesus é a luz divina brilhando entre nós e para nós. Ele é proclamado no Evangelho deste Domingo como a realização da promessa divina, como a luz esplendente que brilha em todas as partes do mundo, simbolizada nas terras de Zabulon e Neftali (1ª leitura). O contexto da profecia, no entanto, é mais amplo com início em Is 7, quando Isaías inicia estes capítulos apresentando a Virgem grávida como sinal da presença divina entre nós. Profecia que anuncia a esperança de novos tempos, anuncia uma nova luz, anuncia um novo caminho que liberta de todo tipo de escravidão (1ª leitura). O salmista deste Domingo incentiva à acolher a profecia e transformá-la em vida: “espera no Senhor e tem coragem” (salmo responsorial). Ou seja, confie com coragem.

A realização da profecia de Isaías acontece para as cidades de Zabulon, Neftali e para quem se dispõe a entrar no Reino de Deus (Evangelho). Na visão de Mateus, o Reino é a presença visível de Deus no mundo. Presença que acontece na pessoa de Jesus, nos gestos e nas palavras de Jesus. Por isso, o convite à conversão feito por Jesus significa abandonar uma mentalidade e se deixar iluminar pela mentalidade do Evangelho, com a coragem de colocar a confiança da vida pessoal em Jesus Cristo. É compreendendo a conversão como atitude de colocar a confiança da vida pessoal em Jesus, que se tem o alcance e o significado do chamado e do seguimento dos primeiros discípulos (Evangelho)e dos discípulos e discípulas de todos os tempos. Leia Mais »

2º domingo do tempo comum

Categoria (Artigos, Formação) por Pastoral Comunicação em 01/16/2011

Tags : ,

No Brasil o 1º domingo do tempo comum é substituído pela festa do Batismo do Senhor.

Neste 2º domingo, João Batista apresenta Jesus a seus discípulos dizendo: “Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo 1, 29).

A palavra de Deus está centrado no testemunho sobre Jesus Cristo.

O profeta Isaías anuncia o Servo Israel como luz das nações e portados da salvação, em primeiro lugar ao povo eleito e depois aos pagãos (Is. 49, 3-6).

João Batista, ao ver Jesus, proclama que a profecia se cumpriu: Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E testemunha: Este é o filho de Deus. (Jo 1, 34). E Paulo confessa ser o apóstolo de Jesus Cristo. (I Cor 1, 1). Leia Mais »

O tempo comum e as celebrações

Categoria (Formação) por Pastoral Comunicação em 01/16/2011

Tags :

Começa agora o Tempo Comum (TC) do ano litúrgico. Às vezes não nos damos conta de sua riqueza espiritual nos caminhos de Deus. J. Lopez Martin dá uma visão muito significativa do tempo comum: “o tempo comum é um tempo importante, que, sem ele a celebração do mistério de Cristo seria reduzido a episódios isolados, ao invés de impregnar toda a existência dos fiéis e das comunidades. Somente quando se compreender que o tempo comum é um tempo indispensável, que desenvolve o mistério pascal de modo progressivo e profundo, saberemos o que é ano litúrgico. Dar atenção unicamente aos ‘tempos fortes’ significa esquecer que o ano litúrgico consiste na celebração, no curso de um ano, de todo o mistério de Cristo e da obra da Salvação.” Leia Mais »